Nascido no Porto em 9/8/1960

  • Em1972,começa a tocar guitarra acústica. Descobre que gosta de tocar “Baixo”, ouvindo os Beatles e os Pink Floyd, quando sua guitarra ficou sem as duas cordas mais agudas.
  • Em 1975,forma um grupo chamado “Sincopa”. Banda Pop/Rock, que chega a fazer algumas 1ªs partes dos concertos dos “ Arte & Oficio “.
  • Em 1980, é convidado a tocar num projecto divertido e ambicioso no panorama da música Pop-Rock do momento: os “ Trabalhadores do Comércio “, que cantavam em português e com sotaque do Porto, ao qual se mantém ligado até hoje.
  • Em 1983, entra para a RTP como operador de som, onde grava e emite programas de som directo com os maiores nomes da música portuguesa, é o 1º operador em Portugal a gravar em multipístas para televisão. Chick Corea é um dos nomes internacionais mais importantes que grava para a televisão, em 1994.
  • Em 1984, aproveitando a estadia em Lisboa para uma acção de formação em som, faz um curso intensivo de contrabaixo no Hot Clube de Portugal.
  • Formou em 1985 uma banda de MMP, para o concurso do Rock Rendez-Vous, a qual gravou um tema no L.P. “ Sons e temas “ vol.1, da editora,” Dança do Som”, grupo que mantem em atividade até hoje, os ”Pippermint Twist”.
  • Cria em V. N. de Gaia um estúdio de som responsável por inúmeras gravações de bandas da MMP que apareceram a partir de 1986 com os concursos do RRV.
  • De 1995 a 2005 , dedica-se exclusivamente ao trabalho de som ,mantendo a sua actividade musical ligada aos Trabalhadores do Comércio.
  • Entre 2007 e 2012, grava dois CDs ( Iblussom e Das Turmêntas há Boua Isperansa).
  • Em 2015, é convidado a tocar num projeto de musica acústico usando líricas e poemas de grandes escritores portugueses. Os “ Nume”, mantêm a sua atividade até hoje com sucesso.
  • Em 2017 participa ativamente em várias atividades culturais, ligado á coletividade “ Dramático de Vilar do Paraíso”, em Vila Nova de Gaia onde colabora com o grupo de música popular daquela instituição.
  • Em 2018 é distinguido com a medalha de mérito cultural pela autarquia a que pertence.

© 2018 Trabalhadores do Comércio